20 março 2011

JOVENS (DES)ENRASCADOS!?

Quando na actualidade se tem discutido e debatido constantemente a situação do nosso país, sabemos bem que o presente é difícil e o futuro se adivinha ainda mais complicado. Os portugueses e, sobretudo, os jovens têm sido imensamente afectados pelo desemprego e pela precariedade laboral. A desilusão e a quebra de expectativas face à crescente qualificação dos jovens foi fortemente acentuada e marcada no passado dia 12 de Março.

Cerca de 300 mil portugueses (de acordo com o veiculado na comunicação social) manifestaram o seu descontentamento no denominado “Protesto da Geração à Rasca”. A sociedade em geral e o Governo não poderão ficar indiferentes a este “protesto apartidário, laico e pacífico”, tristemente aproveitado pelo oportunismo político de alguns. Manifestando-me, desde logo, solidário com todos os jovens que se encontram em situação laboral precária porque sei bem o que significa trabalhar como “falso recibo verde” e “subcontratado”, quero sublinhar que não fui à referida manifestação. Respeito quem optou por ir mas prefiro dar o meu contributo diariamente, em vez de marchar apenas numa tarde. Quantos daqueles jovens e menos jovens se abstiveram nos últimos actos eleitorais? Quantos participam no associativismo e no voluntariado? É fácil marchar numa tarde. Difícil é ter diariamente uma atitude proactiva, pensar em soluções e ideias para resolver os problemas do nosso concelho, distrito e país.

Imaginemos, por um instante que seja, 300 mil pessoas a aderir a movimentos cívicos, a projectos associativos e a partidos políticos. Imaginemos, por um minuto, a riqueza de ideias que trariam para a nossa sociedade. Eu quero acreditar que sim!"


Vasco Miguel Casimiro

in Revista Dada

1 comentário:

Anónimo disse...

Caro Vasco. Dos 300 mil já muitos pertencem a movimentos, partidos, etc. os que não são, se aderirem ficam como o Vasco - preso ao Partido. Não é futuro que se desje a um jovem.