08 fevereiro 2011

Há sempre alguém que resiste

Há sempre alguém que resiste

No passado dia 23 de Janeiro decorreram eleições para a Presidência da República, o mais alto cargo da Nação, apresentando-se seis candidatos a votos: Cavaco Silva, Manuel Alegre, Fernando Nobre, Francisco Lopes, José Coelho e Defensor Moura. Curiosamente, na mesma data em que se celebrava o Dia Mundial da Liberdade, a maioria dos portugueses decidiu abster-se, de forma inequívoca. Mais de cinco milhões de portugueses contrariaram a motivação do dia evocado, de exercer plenamente a sua cidadania, fazendo-me recordar os versos de Sérgio Godinho que referem que “só há liberdade a sério quando houver liberdade de mudar e decidir”.

No entanto, os resultados foram esclarecedores e Cavaco Silva foi eleito por maioria absoluta dos eleitores que quiseram exercer o seu direito cívico. Cumpriu-se a tradição de reeleição para o segundo mandato mas Cavaco fica para a História como o Presidente da República menos votado de sempre. Ficam também registadas as suas declarações pós-eleitorais, amargas e carregadas de rancor, em vez de transmitir uma mensagem positiva de futuro, de esperança e de união para os portugueses.

No Cartaxo, tive a oportunidade de, pela primeira vez, integrar uma mesa de voto. Confesso que gostei da experiência. Pude observar a igualdade que Abril nos concedeu. Foi precioso constatar, na primeira pessoa, que o voto do jovem estudante vale tanto como o voto da idosa analfabeta, que o rico e o pobre expressam a sua escolha, exactamente de forma IGUAL. Para mim, foi valioso ver a importância e solenidade com que tantas pessoas tratam um acto eleitoral: o jovem que vota pela primeira vez; o adulto que se apruma, antes de sair de casa, para se dirigir ao local de voto; o menos jovem que, muitas vezes com mobilidade reduzida, faz um último esforça para não faltar à chamada.

E porque será que tantas pessoas desperdiçam o seu direito? Porque será que se demitem da responsabilidade de participar?


Vasco Miguel Casimiro

http://vascocasimiro.blogspot.com/

vascocas@gmail.com


Artigo publicado na Revista Dada - Edição Fevereiro/Março

Sem comentários: