11 novembro 2008

Empresas de sucesso no Cartaxo

Duas são empresas de reconhecido mérito e sucesso empresarial no concelho do Cartaxo, onde já estão implantadas há vários anos. A Isolago é o mais recente investimento do grupo Politejo no lugar de Casais Lagartos, na freguesia de Pontével. Esta empresa tem cerca de dois anos e dedica-se sobretudo à produção de compostos plásticos para a produção de tubos.
A Isolago está a apostar forte na inovação e na investigação & desenvolvimento e dos seus laboratórios saiu já um novo material plástico com uma maior durabilidade e resistência, que pode inclusivamente substituir os canos de ferro nalgumas utilizações. Esta unidade ainda está a produzir tubos de PVC mas a breve prazo vai especializar-se apenas no desenvolvimento de compostos para a utilização na indústria do plástico.
A casa-mãe, a Politejo, é ainda a maior cliente da Isolago (absorve cerca de 70% da produção da sua produção) mas esta nova empresa está também já a vender compostos plásticos para outros destinos, entre os quais a indústria automóvel. Por ano, a Isolago produz mais de 5 mil toneladas de compostos por ano e em 2008 conta facturar cerca de 6 milhões de euros. O objectivo no futuro é manter um crescimento de 5% a 10% ao ano e de instalar um nova linha de produção de compostos por ano. Actualmente, a empresa emprega 45 trabalhadores, entre os quais 7 engenheiros que, em conjunto com os profissionais do Pólo de Inovação em Engenharia de Polímeros da Universidade do Minho, estão a estudar a produção destes novos materiais a partir de compostos derivados do petróleo.

A comprovar a vitalidade industrial do Cartaxo está também a empresa M.O.P – Comércio e Indústria de Mármores, uma unidade industrial situada mesmo à saída da cidade do Cartaxo e que se dedica à transformação da pedra e de mármores em ladrilhos e peças acabadas. Esta empresa nasceu há 20 anos, fruto de uma aquisição de uma antiga outra empresa desta área que estava falida. Hoje em dia, a MOP é gerida por uma equipa jovem, liderada por João Paulo Ferreira, e emprega cerca de 40 pessoas. Desta empresa saem 30 a 40 contentores de material por mês com um principal destino, os Estados Unidos da América, um mercado para o qual a MOP é a maior empresa portuguesa exportadora deste tipo de materiais. No estrangeiro os objectivos da empresa passam por abrir uma cadeia de lojas de venda ao público nos EUA e por apostar no mercado europeu.
Pelo Cartaxo, os objectivos de investimento da MOP passam pela saída das instalações da empresa da malha urbana da cidade, permitindo dessa forma alargar a sua área útil com a construção de dois show rooms e resolver melhor o problema de tratamento dos resíduos. A empresa factura cerca de 5 milhões de euros por ano.

Branco & Martinho fornece força aérea portuguesa e angolana

A Branco&Martinho foi outra das empresas visitadas. A empresa dedica-se à comercialização de equipamentos, ferramentas e máquinas para a indústria e para trabalhos de manutenção e reparação industrial. Como forma de diversificar a actividade, a Branco&Martinho está também a comercializar peças de manutenção e reparação para a Força Área portuguesa e para a Força Área angolana, aproveitando a experiência nesta área de um dos sócios-gerente da empresa, Raul Martinho. A Branco&Martinho emprega 10 trabalhadores e investiu em novas instalações há três anos, mesmo à entrada do Cartaxo do lado de Vila Chã de Ourique.

in O Ribatejo

Sem comentários: