15 setembro 2008

Cartaxo, a noite da nova geração.

- Praça de Toiros: Cartaxo
- Data: 12 de Setembro de 2008, pelas 22H00
- Empresa: Paulo Pessoa de Carvalho
- Ganadarias: Conde Cabral, Hrds.
- Cavaleiros: António Telles, Rui Salvador, Vítor Ribeiro, António Brito Paes, Manuel Telles Bastos e João Telles Jr.
- Grupo de Forcados: Amadores de Santarém e Montemor, capitaneados por Diogo Sepúlveda e José Maria Cortes respectivamente.
- Assistência: 3/4 casa
- Delegados da IGAC: Dirigiu a corrida o Sr. Delegado Tauromáquico Manuel Jacinto, assessorado pelo Médico Veterinário Dr. Luís Alves.

Mais uma tradicional corrida dos agricultores, desta feita a 20ª,organizada pela CAP. Um cartel atractivo, várias gerações de figuras do toureio nacional, contando com a presença dos dois grupos de forcados com mais antiguidade no panorama taurino e com uma ganadaria de renome, mais do que razões para uma noite plena de emoções.

A corrida começou com um atraso de 20 minutos, inicialmente explicado, devido ao atraso do mais novo de alternativa que viria ainda a caminho depois de ter toureado por terras de nuestros hermanos, algo que o público compreendeu sem se manifestar. A corrida, mesmo assim, decorreu em bom ritmo, mesmo após a dificuldade de concretização de algumas pegas e com o público visivelmente satisfeito, nessa tradicionalmente aficionada localidade do Cartaxo.

Os toiros de Conde Cabral, Hrds. saíram a pesar entre 460Kg e 560Kg, de boa apresentação, sendo no geral voluntariosos e cumpridores, fazendo o reparo do 2º ser mal visto, do 3º adiantar-se ao cavalo logo desde os compridos, o 5º ter demonstrado tendência para descair para as tábuas no inicio tendo corrigido com o evoluir da lide e tendo sido o lidado em 4º lugar bravo e o melhor da corrida, o 6º bom e o 1º também.

António Telles, tendo pela frente o mais pesado da corrida, um toiro negro alto, 560Kg. Inicia a função com 3 compridos de boa nota, com destaque para o 3º de frente. Nos curtos de frente para o toiro e a atacar como se manda, tem um reunião justíssima que o faz partir o estribo, caindo este na arena, num ferro de emoção, assim como os que se seguiram sem estribar do lado direito, por falta do dito estribo. Termina com um 5º ferro à porta dos curros de muito boa nota, numa lide toda ela correcta e emotiva.

Rui Salvador, viu a sua lide dificultada pelo defeito da vista do seu oponente que se veio a reparar cada vez mais com o evoluir da lide, um negro bragado meano, 490Kg. Nos compridos, todos eles de boa nota, destaque para o 3º de alto a baixo. No curtos, num toiro que vinha cá acima e que abriu a boca após o 1º curto, optou e bem por um toureio frontal por forma, a compensar a dificuldade do seu oponente, tendo ferros de boa nota e de emoção até ao 5º em que encerrou.

Vítor Ribeiro, com um negro listão, 500Kg, que se adiantava logo desde cedo e algo distraído, porém voluntarioso, abre com 3 compridos de boa nota. Nos curtos sofre alguns toques, porém a partir do 4º a entender melhor o seu oponente e deixar 2 ferros de boa nota, assim como já nos tem habituado.

António Brito Paes, luziu-se com o melhor e bravo toiro da corrida, um negro, 460Kg. Apenas crava 2 compridos, mas sempre a dobrar-se muito bem com o toiro no remate das sortes e desde os compridos a chegar ao publico. Nos curtos de frente e com batida ao pitón contrário, irrepreensível. Termina uma lide emocionante e toda ela sem reparos, com um ferro de palmo tal como os curtos, ao pitón contrário de excelente nota.

António Telles Bastos, a ter pela frente um colorau bragado meano, 530Kg, que de cedo denotou crença em tábuas. Inicia com 3 compridos de frente de bom nível. Nos curtos crava o 1º a sesgo na crença natural do toiro para ai o castigar e fazer sair para uma lide nos médios, toda ela cheia de pormenores de boa brega e inteligência toureira. Depois dos curtos frontais, termina em excelente plano com 1 palmo de excelente preparação e levando a merecida ovação pelo seu trabalho.

João Telles Jr., tem pela frente um bom negro, 535Kg, ao qual crava 3 compridos frontais muito bons, a um toiro que se arrancava. Nos curtos traz a sua natural emoção à praça, com destaque para o 2º e o 3º de frente a esperar o toiro e a cravar ao estribo como se quer. Encerra com duas séries do seu número, violino/ferro de palmo, com que encerrou a sua lide com o público a aplaudir de pé.

O Grupo de Forcados Amadores de Santarém, abre praça por intermédio do forcado António Grave de Jesus, cita de largo e escolhe o terreno da reunião, com o toiro a meter a cara alta, duríssima sem dar um passo atrás, porém correctíssima com o toiro a empregar o rim e a despachar o forcado lá no alto para depois lhe dar uma valente sova no chão com direito a voltareta e tudo. À 2ª tentativa a ter de ir buscá-lo a tábuas novamente a reunir duro e com vontade de lá ficar, com uma boa 1ª ajuda e com o grupo a fechar bem, pegam desta feita. Volta a saltar por esta formação, para pegar o 3º da noite, Manuel Roque Lopes, correcto no cite, de largo, manda no toiro, fecha-se bem de braços e de pernas, novamente com boa 1ª ajuda e com o grupo a fechar bem, concretizam ao 1º intento uma excelente pega. Para a última intervenção deste grupo, Luis Sepúlveda, a mandar no toiro que se encontra fechado em tábuas, pede para dar um aviso ao toiro para depois na reunião se fechar com decisão e não podia faltar mais uma vez uma boa 1ª ajuda e o grupo a fechar bem para mais uma pega à 1ª.

Pelo Grupo de Forcados Amadores de Montemor, vai à cara do 2º da noite João Cabral, na 1ª tentativa e já com o toiro nas tábuas, após carregar reúne com dificuldade com o toiro a meter a cara alta e de lado. À 2ª tentativa, não fica, com o toiro a derrotar forte no alto a despachar. À 3ª sempre o toiro a derrotar, fica de chocalho à chegada ao grupo. Concretizam à 4ª, com o grupo carregado, bem o forcado em não querer dar volta apesar de forte insistência do público e do cavaleiro. Na 2ª intervenção do grupo, Frederico Caldeira pega à 1ª tentativa, irrepreensível, a mandar e com decisão a fechar-se numa pega dura e de poder com o grupo a ajudar bem num toiro que se empregou. A fechar praça Noel Cardoso, mostra-se bem ao toiro, para mandar vir e fechar-se com decisão, numa pega dura em que conta com uma boa 1ª ajuda e com o grupo a fechar correcto.


O Mais e o Menos
+ Os 3 mais novos cavaleiros de alternativa, todos eles triunfadores nesta noite. O aviso do director aos vendedores durante a lide para se sentarem.
- A equipa da porta dos curros, que não entende o toque de aviso do director durante a 1ª pega e abrem a porta para recolher.

in Tauromania, por Carlos Moura Nunes.


Para visualizar a "Reportagem Fotográfica: Cartaxo, 12 de Setembro", realizada pela objectiva do repórter fotográfico Miguel Vidal Pinheiro clique AQUI.


Na minha modesta opinião, os três cavaleiros de alternativa mais antiga (António Telles, Rui Salvador e Vítor Ribeiro) não estiveram ao seu melhor nível, talvez porque os toiros sorteados não ajudaram.

António Brito Paes e Manuel Telles Bastos foram os cavaleiros que mais me agradaram. Aliás, Telles Bastos já demonstra há imenso tempo a sua exímia elegância a montar e a tourear.

Quanto a João Telles Jr., dá muito espectáculo com os seus ferros duplos de violino/ferro de palmo, mas não me convence porque ao arriscar demasiado, sofre muitos toques no cavalo.

No que respeita aos Grupos de Forcados e respectivas pegas, as que mais apreciei foram a 2ª pega (3ª da corrida) do Grupo de Forcados Amadores de Santarém, por Manuel Roque Lopes e também a 2ª pega (4ª da corrida) do Grupo de Forcados Amadores de Montemor, por Frederico Caldeira.

Destaque para o grande número de aficionados que se deslocaram à praça de toiros do Cartaxo e o regresso, após alguns anos de interregno, das corridas nocturnas à nossa cidade.

Sem comentários: