28 julho 2008

O encantador de cães - no Cartaxo

Aqui em Portugal existe um “encantador de cães”. Alguém com a capacidade de reconhecer a personalidade e o potencial de um cão nos primeiros momentos de contacto, e de lhe segredar o caminho para a felicidade da vida em harmonia com os seres humanos.

Com inúmeros casos difíceis e interessantes resolvidos ao longo de uma vida inteira de serviço canino, esta personalidade incansável da cinologia portuguesa labuta desde 1976 em várias vertentes do ensino do Homem e do seu melhor amigo: obediência básica para convivência familiar, treino de guarda pessoal e de propriedade, e treino para competição de “trabalho” nacional e internacional, tendo mesmo treinado cães para invisuais com resultados excepcionais, e até efectuado mini-terapias psicológicas ad-hoc com crianças com fobias de animais, também com sucesso.

Sendo uma das raríssimas pessoas no país capaz de realizar em segurança treinos sérios de guarda e defesa canina sem protecções para além da manga de mordedura (ou até mesmo enfrentar e dominar um cão assanhado sem qualquer protecção e sem prejuízo mútuo), o talento natural e experiência deste indivíduo já por várias vezes evitaram a tragédia em situações de perigo com cães fora de controlo em ambientes humanos (como por exemplo clínicas veterinárias e clubes hípicos), granjeando-lhe assim amigos vitalícios tanto da raça humana como canina. Mas é claro que ele usa as protecções necessárias durante os treinos, já que o bom-senso também faz parte do pacote e os acidentes podem sempre acontecer, principalmente quando se tem muito trabalho.

Mas mais do que treinador de cães, João Névoa é um pedagogo inter-racial que só se contenta com a criação de duplas Homem/Cão eficazes e eficientes. Não se deixem enganar pela sua atitude brutalmente frontal e despida de cerimónias: ele é um homem que acredita no que faz, e fá-lo melhor que ninguém. Quem frequenta os cursos dele é “vítima” do tratamento completo, ou seja, está destinado a “aprender a pescar”, em vez de ir lá apenas “buscar o peixe”. Ninguém pode controlar e confiar num cão sem realmente lhe entender e respeitar a personalidade e as necessidades, e na Caninus - Hotel e Instrução Canina procura-se incansavelmente o ponto de equilíbrio entre o carinho necessário e a disciplina consistente. O cão é um membro de família por direito, e lá se criam famílias cino-humanas sólidas, duradouras, e acima de tudo, recompensadoras para ambos os lados. Dá gosto ver as trelas de nylon serem substituídas gradualmente por comandos de voz e pequenos gestos corporais que a médio prazo se revelam uma estratégia de controlo mais fiável do que as próprias trelas. 8)

Mas nem só de treino vive a Caninus - Hotel e Instrução Canina. A quinta do Cartaxo onde está instalada também possui muito boas instalações, alimentação correcta, e uma grande área de lazer para os amigos de quatro patas. E nem sequer há problemas de “desentendimentos” entre os hóspedes, já que ali todos rapidamente aprendem que o bom humor e a boa disposição os levam mais longe. O Hotel canino funciona todo o ano, e sempre que os donos têm necessidade de entregar as suas “preciosidades” a alguém por um fim-de-semana ou algumas semanas, a Caninus vai a casa buscar e entregar os cães em Lisboa, Oeiras, e Cartaxo. Banhos e tosquias de primeira qualidade completam este “Spa” canino, com direito a passeios regulares e alguns artigos de “boutique” como por exemplo trelas, coleiras, e peitorais, todos garantidos contra rebentamento (mesmo por Grand-Danois) e com a máxima ergonomia humana e cinológica, frutos de uma experiência de trabalho de 32 anos.


Se este artigo se parecer com uma publicidade “descarada” a um indivíduo que suspeitosamente tem o mesmo nome de família que eu, é porque é mesmo!!! :) A diferença entre uma publicidade qualquer e este texto, é que eu já vi e participei nos treinos do meu irmão várias vezes, e contactei com alguns dos seus clientes, e portanto sei que o que ele vale. ;)


in http://vnevoa.wordpress.com/

1 comentário:

Anónimo disse...

Pois, já tinha visto publicidade,e liguei para saber informações. Lamentávelmente, pelos vistos, tenho um Chihuahua e disse que não treinava essa raça... Estranho... Não me pareceu que ao diferenciar assim as raças, fosse sinónimo de bom pedagogo!